às 14:59:00

5 atividades extracurriculares para estudantes de Medicina.

Todo calouro de Medicina, principalmente aqueles ansiosos, já entra no curso pensando em aproveitar cada uma das oportunidades de aprendizado que houver disponíveis. E que bom que vocês são assim! Construir um currículo forte depende de bastante dedicação e tornar-se um médico realmente bom em tratar doenças e cuidar de pessoas, também.

Aqui nós apresentaremos as cinco atividades extracurriculares que vocês provavelmente encontrarão durante a graduação para que possam escolher aquela que combina mais com o seu perfil. Vale lembrar que, para conseguir o diploma, também é preciso entregar certa carga horária complementar e, na prática, é mais fácil quando não se deixa tudo para o último semestre. Então, mãos à obra!

Iniciação científica


Esta oportunidade nada mais é do que uma pesquisa científica que você desenvolverá sob a orientação de um professor da sua instituição de ensino. Tais pesquisas podem ser patrocinadas, ou seja, é possível que você seja remunerado para realizá-las. Os patrocínios acontecem a nível nacional pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) ou a nível estadual. Para tanto, porém, é necessário comprovar a eficácia e o rendimento do seu estudo à sociedade.

A iniciação científica dura em média de seis meses a um ano e existem algumas obrigações que devem ser cumpridas frequentemente. Por exemplo, você precisará enviar relatórios sobre a sua pesquisa ao seu professor orientador e aos seus patrocinadores, caso tenha conseguido bolsa. Esta demanda por resultados é algo bastante positivo, pois te ensinará a ter um comportamento voltado a resultados e também a resolver problemas.

Há dois tipos de estudo a serem desenvolvidos nesta atividade extracurricular. O primeiro é o laboratorial, de cunho celular ou molecular. Muitas vezes, estas pesquisas envolvem alunos de outros cursos, como Educação Física, Farmácia e Ciências Biológicas. Assim, você também terá a chance de expandir seus horizontes por meio da convivência e da troca de conhecimentos entre áreas correlatas.

O segundo abrange as pesquisas clínicas, que por sua vez envolvem o tratamento direto com pacientes reais. Esta será uma grande oportunidade tanto de crescimento profissional quanto pessoal, pois exigirá que você desenvolva habilidades sociais, como a empatia, a comunicação ativa e a paciência. Isto é: características fundamentais para uma Medicina mais humanizada.

Ligas acadêmicas


Ligas Acadêmicas são grupos de estudo formados por alunos, com o auxilio de um professor, para aprender mais sobre determinada especialidade médica, o que auxilia muito a descartar opções de residência e/ou especialização. Estas entidades são fechadas, oferecendo cerca de 20 vagas por meio de processos seletivos, dos quais podem participar estudantes de todos os semestres.

As aulas são baseadas no tripé: pesquisa, extensão e ensino, e acontecem em períodos semanais ou quinzenais. Um ponto positivo desta atividade extracurricular é que você terá a chance de conhecer profissionais que não compõem o corpo docente da sua faculdade. Os convites acontecem de forma livre e, por estes serem médicos atuantes, é possível aprender muito sobre como um módulo de estudo é empregado na realidade hospitalar, por exemplo.

Os candidatos às Ligas podem optar por ingressarem como ouvintes ou como “ligantes”. Ambas as posições recebem certificados ao final dos estudos, que contam como horas complementares. Porém, enquanto os ouvintes participam apenas das aulas teóricas, os ligantes têm a oportunidade de ir às aulas práticas, caso o professor responsável consiga oferecer uma. Estas aulas práticas podem ser, por exemplo, plantões ou estágios.

Simpósios, congressos e seminários


Apesar de parecem tudo farinha do mesmo saco, há algumas diferenças entre estas três atividades, que nós explicaremos adiante. Antes, porém, precisamos enfatizar que uma não se sobrepõe a outra e se tratam de experiências muito engrandecedoras. Então, aproveite o que for possível dentro da sua agenda.

Os congressos são eventos de discussões científicas sobre estudos que ainda estão em curso. Ou seja, pesquisas que ainda não foram concluídas e podem tomar outros rumos a partir de novos insights. Logo, quando participar de um, esteja preparado para absorver muito conhecimento em um curto espaço de tempo, pois lá estarão vários profissionais renomados analisando métodos e conclusões ao vivo.

Em contrapartida, os simpósios são dedicados à análise de pesquisas que já foram concluídas, ou seja, tiveram seus resultados comprovados e, a partir de então, podem ser invalidados por novas descobertas e/ou teses. A partir destas, é possível inclusive definir temas de aulas a serem ministradas em classe.

Por último, mas não menos importantes, os seminários são eventos durante os quais você terá a oportunidade de assistir a debates entre médicos e professores. Inclusive, às vezes as discussões costumam ser abertas aos estudantes para que estes possam expressar suas opiniões e tirar dúvidas também.

Monitorias


Esta atividade extracurricular atrai muito àqueles estudantes que pretendem seguir carreira acadêmica no futuro, mas não só. Afinal, ensinar é uma das melhores formas de se aprender. Por esse motivo, indicamos que se tornem monitores todos os estudantes que querem se tornar experts em determinado assunto.

As monitorias são o recurso que muitos alunos encontram para tirar dúvidas fora do horário de aula, ou até aprender mesmo sobre a matéria, caso tenha perdido faltado a algum dia de aula. Assim, há uma grande responsabilidade em ser monitor, pois você se tornará um auxiliar de um professor da sua universidade.

Cada instituição que oferece esta atividade aos estudantes tem a sua forma de seleção, que pode ser feita por meio de uma prova escrita, oral ou pelo próprio boletim. E se você acha que este é um método bobo de adquirir suas horas complementares, saiba que os programas de residência contam com monitorias.

Em suma, as monitorias são um bom incentivo para aprender a fundo uma disciplina, tirar notas boas e, após a conclusão do semestre, preparar um método de ensino para passar aquele conhecimento adiante. Há apenas uma questão: calouros não podem se candidatar, visto que é preciso primeiro passar em tal disciplina para ser capaz de ensiná-la.

Estágios


Ao contrário das monitorias e da iniciação científica, os estágios em sua maioria não são remunerados. Isso porque, como estagiário, você será supervisionado o tempo inteiro e não estará exercendo a profissão oficialmente, sendo inapto a assinar prontuários, a receitar medicamentos, entre outros procedimentos práticos.

No entanto, em alguns estados, como no Rio de Janeiro, é possível receber um valor monetário exercendo este cargo. Então, pesquise bem antes de escolher onde você vai estudar, pois embora seja considerada uma atividade extracurricular, os estágios são obrigatórios em todas as graduações de Medicina e ocorrem durante o quinto e o sexto ano de curso.

Treinando o cérebro


Nutrir-se de conhecimento é uma escolha permanente que se faz ao decidir cursar Medicina. Do início ao fim de sua carreira médica, você estará estudando para manter-se atualizado com as novas necessidades em Saúde que surgem de vez em quando com o avanço da sociedade.

Na prática, as atividades extracurriculares são como um primeiro exercício físico na academia, de cujo resultam o aprendizado e o hábito de estudar. A princípio parece que é difícil e que não há tempo suficiente para dedicar-se a ele, mas, somente com a repetição deste exercício, o movimento tornar-se natural para o corpo que, por sua vez, torna-se mais forte.


Fonte: