Coordenação de Pesquisa

Modalidades de Coordenação de Projetos

O professor ou colaborador que tenha interesse em coordenar projeto de pesquisa junto ao UNIPTAN pode fazê-lo na condição de voluntário ou como bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Produtividade em Pesquisa (PIPP). Para docentes do Curso de Medicina existe também a possibilidade de coordenar projetos de pesquisa sendo contemplados com bolsa para coordenador. Quanto aos discentes, podem participar como voluntários de Iniciação Científica ou concorrer a Bolsas da FAPEMIG. Acadêmicos do Curso de Medicina podem ainda concorrer à bolsa de Iniciação Científica.

Coordenador voluntário

Para coordenar projeto de pesquisa como voluntário, o pesquisador deve encaminhar à Coordenação de Pesquisa cópia do projeto na íntegra, juntamente com o “Formulário para apresentação de proposta de pesquisa”. Nestes casos, a apresentação da proposta pode ocorrer em qualquer época, dentro do período letivo. No entanto, o projeto de pesquisa deve ter período de vigência de 12 (doze) meses. Como coordenador voluntário, o docente pode orientar alunos bolsistas e/ou voluntários de Iniciação Científica. Em ambos os casos, é necessário que o docente esteja cadastrado na Plataforma Lattes do CNPq e assumir compromisso, junto à Instituição, com a orientação do aluno.

Coordenador bolsista

No UNIPTAN existem duas modalidades de bolsa para coordenador de projeto. Uma modalidade é o Programa de Produtividade em Pesquisa, no qual a Instituição paga bolsas para coordenadores de projeto através da FUNADESP. Outra modalidade de bolsa é direcionada aos docentes do Curso de Medicina para orientação de acadêmicos deste curso.

Para se candidatar à bolsa de pesquisa FUNADESP no UNIPTAN, o docente deve se inscrever em atendimento a Edital específico, publicado anualmente em junho. Além disso, o candidato deve: a) Possuir Curriculum vitae atualizado na Plataforma Lattes do CNPq; b) Preencher Formulário de Apresentação de Projetos de Pesquisa no site da FUNADESP; c) Apresentar projeto de pesquisa na íntegra, contendo resumo, justificativa, objetivos, fundamentação teórica, metodologia, plano de trabalho específico para cada candidato a bolsa (inclusive aqueles de Iniciação Científica e Iniciação Científica Júnior), produtos esperados (por exemplo: publicações, apresentações em congressos, desenvolvimento de software) e referências bibliográficas; d) Comprovante de submissão do projeto a Comitê de Ética em Pesquisa, quando for o caso.

A seleção e o julgamento das propostas submetidas são processados em diferentes etapas realizadas, inicialmente, na instituição de ensino superior/entidade proponente e, posteriormente, na FUNADESP. Na primeira etapa, é realizada análise interna e preliminar das propostas pela Comissão de Avaliação e Acompanhamento de Pesquisa – COAPE. As propostas são avaliadas quanto ao atendimento às características obrigatórias e às demais exigências deste Edital. As propostas que não atenderem às características e exigências citadas são desclassificadas, enquanto as demais propostas são consideradas para análise e julgamento de mérito e relevância. A etapa seguinte é classificatória e consiste em análise de currículo do proponente/coordenador do projeto pela COAPE. São pontuadas as publicações técnico-científicas dos últimos três anos, orientações de Iniciação Científica e Iniciação Científica Júnior em qualquer Instituição de Ensino Superior, bem como participações em atividades, eventos e projetos de Pesquisa e de Extensão da Instituição nesse mesmo período. Nesta etapa as propostas também são avaliadas quanto à temática abordada e tipo de pesquisa, sendo melhor pontuadas as propostas que abordem a temática “Metodologias ativas de aprendizagem” e projetos de pesquisa em interface com Extensão.

A terceira etapa, classificatória e eliminatória, consiste na análise do mérito e da relevância das propostas enquadradas na primeira etapa, a ser realizada por 2 (dois) professores-pesquisadores externos à Instituição, com título de doutor e/ou experiência comprovada de orientação de pesquisa na área do projeto proposto. São avaliados entre outros aspectos, os seguintes tópicos: adequação e coerência entre objetivos, metodologia, hipótese, cronograma de execução e sua contribuição para a sociedade.

Na quarta etapa, as propostas aprovadas na avaliação de mérito e relevância (Etapa III) são classificadas de acordo com a média aritmética das notas obtidas na Etapa II e Etapa III. As propostas que obtêm melhor classificação são encaminhadas para análise pelo Comitê Assessor da FUNADESP, que delibera a respeito dos projetos encaminhados a essa Fundação, de acordo com calendário previamente firmado, podendo emitir os seguintes pareceres finais: a) Favorável sem restrições; b) Favorável com modificações; c) Favorável sob condições; d) Desfavorável. Para as propostas que receberem parecer Favorável sem restrições, dá-se início ao projeto no período de vigência previsto. Nos segundo e terceiro casos, o projeto deve ser reformulado e reencaminhado em novo prazo a ser estabelecido pela FUNADESP. No último caso, o projeto é desclassificado, podendo o proponente do mesmo encaminhar outras propostas em chamadas subsequentes.

E, finalmente, as propostas recomendadas pelo Comitê Assessor da FUNADESP são submetidas à apreciação do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do UNIPTAN, que emite a decisão final sobre a concessão de bolsa para o coordenador do projeto, observados os limites orçamentários da instituição.

A bolsa para professores-coordenadores tem duração de 12 meses e o valor mensal para mestres e doutores é de R$ 800,00 e R$ 1.000,00, respectivamente.

Os coordenadores cujas propostas são indicadas pela FUNADESP e referendadas pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do UNIPTAN são contemplados com bolsa de Produtividade em Pesquisa, observados os limites orçamentários da Instituição.
Os coordenadores cujas propostas forem aprovadas na avaliação de mérito e relevância, mas não contemplados com bolsa devido à indisponibilidade orçamentária, podem desenvolver o projeto como voluntários, estando submetidos às mesmas exigências e mesmos compromissos dos coordenadores bolsistas.

Para se candidatar à bolsa de pesquisa do Núcleo de Pesquisa do Curso de Medicina, o docente deve passar por seleção de projeto a partir de Edital específico publicado anualmente.